ॐ Kapālabhāti Kriyā

2 07 2011


Vamos abordar um tema bem importante que são as práticas de “purificação do corpo”. Kriyā é um termo feminino que significa fazer, executar, ação, atividade, trabalho, ou exercícios feitoem partes. Apósos tratados de Hatha Yoga, principalmente a Hatha Yoga Pradīpikā e Gheranda Samhitā, o termo kriyā acabou ganhando uma certa autonomia e se transformou em sinônimo de “exercícios de purificação do corpo”. As práticas mais conhecidas de purificação recebem, no conjunto, o nome de Shat Karma ou as seis ações purificatórias e segundo a Hatha Yoga Pradīpikā essas ações são: dhauti, vasti, neti, trātaka, nauli e kapālabhāti.

Abordaremos agora o estudo sobre kapālabhāti kriyā: um exercício respiratório de limpeza das narinas, vias respiratórias e pulmões. Além disso, beneficia diafragma, pulmões, coração, órgãos abdominais, sistema nervoso e cérebro. Kapālabhāti pode ser feito antes dos āsanas (posturas) e prānāyāmas (exercícios respiratórios e ampliação da energia vital), desobstruindo as vias respiratórias e facilitando uma respiração profunda e completa ao longo dessas práticas.

Kapāla significa crânio e bhāti brilhante, podemos então traduzir o termo kapālabhāti como o “crânio que brilha” ou “crânio brilhante”. Esta kriyā acelera levemente os batimentos cardíacos e a circulação sanguínea, iniciando assim a purificação do corpo, na qual as impurezas são transportadas com mais velocidade pelo sangue venoso. Amplia a oxigenação de todo o organismo revitalizando órgãos e tecidos, auxilia na desobstrução de artérias, estimula o sistema nervoso, tonifica os músculos abdominais e confere ação benéfica ao fígado, baço, rins, pâncreas, e estômago. O corpo prânico também é muito favorecido pelo kapālabhāti, purificando o corpo denso, o corpo sutil também é purificado, facilitando assim o fluir do prāna pelas nādīs em todo o corpo, além de elevar o nível de prána sobre a região do plexo solar, manipura chakra.

O cérebro também recebe muitos benefícios com kapālabhāti. Quando respiramos ocorre um fenômeno natural no cérebro advindo da sua relação com o líquido cérebro-espinhal. Quando inspiramos o fluído é comprimido, conferindo uma suave compressão no cérebro, quando exalamos o fluído é descomprimido ampliando a irrigação sanguínea no cérebro e expandindo seu volume. Esta dinâmica acontece sempre e está ligado ao ato de respirar.  Este líquido cérebro-espinhal protege o cérebro e espinha de traumas, supre de nutrientes o sistema nervoso e remove produtos de degradação do metabolismo cerebral. Este fluído é rico em proteínas e nutrientes e é um grande responsável pelo funcionamento normal do cérebro. Com o kapálabháti aumentamos muito mais esses ciclos de expansão de volume cerebral por minuto e o fluir do líquido cérebro-espinhal, de uma média de dezoito ciclos de expansão por minuto podemos chegar a cento e vinte ciclos por minuto. Assim estamos ampliando enormemente a irrigação sanguínea, oxigenação e provisão de nutrientes no cérebro, beneficiando células cerebrais, hipófise, pineal e conferindo uma verdadeira “massagem” no cérebro.

Você pode praticar esta kriyā em qualquer postura usada nas práticas de prānāyāmas. O kapālabhāti consiste em inspirar profundo e exalar com força e ruído. Contraia vigorosamente os músculos do abdômen para expulsar o ar, a contração abdominal se assemelha à contração abdominal de uma tosse. Músculos da face e ombros não se contraem, somente a região do abdômen. Mantenha o tronco ereto ao longo de todo kapālabhāti.

É uma prática respiratória com apenas duas fases: inspiração (pūraka) e exalação (rechaka). Não há kūmbhaka (retenção com ar nos pulmões) durante o ciclo de kapālabhāti. Inspire profundo e exale rápido e ruidoso, você pode fazer de 20,40 a60 rechakas por ciclo. Você pode fazer 2 ou 3 ciclos de kapālabhāti intercalando com kūmbhaka. Exemplificando: faça um ciclo com 40 rechakas, ao finalizar o ciclo faça duas ou três inspirações bem profundas, lentas e completas. Essas respirações profundas visam normalizar os batimentos cardíacos e a própria respiração. Antes de iniciar um novo ciclo, faça um kūmbhaka, (retenha o ar nos pulmões), se você for iniciante retenha o ar nos pulmões de 15 à 30 segundos. Para fazer a retenção com ar não é necessário fazer uma inspiração tão profunda. Depois exale e se prepare para um novo ciclo. O ideal é sempre ter a supervisão de um professor experiente em Yoga, caso não encontre ninguém (algo que é muito improvável nos dias de hoje), utilize sempre bom senso e respeito aos seus limites. Esta kriyā pode ser inadequada para os cardíacos ou para quem tem pressão alta, consulte o seu professor e/ou médico caso tenha dúvidas. Lembre que o foco desta kriyā é a exalação profunda e forte, a exalação não é feito com força, apenas a exalação.

Se você está começando no Yoga, faça rechakas (expirações) mais suaves. Com o tempo de prática aumente a intensidade do rechaka e mesmo que você já seja um praticante avançado nunca faça este exercício com violência ou excesso de contração muscular, respeite-se acima de tudo, lembre e aplique sempre ahimsā, principalmente com você mesmo.

Daniel Nodari (Mahādeva) – Om Namah Śivaya


Ações

Information

One response

1 04 2013
ॐ KRIYĀ: exercícios de purificação e limpeza orgânica | R E T A L H O S...

[…] ॐ  – kapālabhāti kriyā respiratório de limpeza das narinas, vias respiratórias e pulmões: https://yogashamkara.wordpress.com/2011/07/02/kapalabhati-kriya/ […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: